OS MAIS LIDOS  
Escolha o conteúdo desejado:
 
 
As escolas que mais se destacaram em 2013/2014 1) AS ESCOLAS QUE MAIS SE DESTACARAM EM 2013/2014

As escolas que atendem alunos da Classe C foram as que mais cresceram no país e muitas estiveram entre as melhores no ENEM em todas as capitais. São escolas que possuem mensalidades de até um salário mínimo, contudo não abrem mão da qualidade. Tiveram excelente desempenho no ENEM e nos grandes vestibulares do Brasil. Entretanto, vale ressaltar que pais e alunos devem estar cientes de que não terão o luxo das escolas de mensalidades elevadas.

Muitas dessas escolas possuem lista de espera, pois a demanda é maior que a oferta de vagas. Isso se deve ao fato de a mensalidade ser menor e de o índice de aprovação se mostrar maior que em muitos colégios elitistas. Entre os motivos das escolas para a Classe C serem as que mais crescem está o da ascensão econômica que propicia a migração demuitos alunos da rede pública para escolas privadas, focadas nessa classe. Como exemplo desse “boom” de crescimento na educação básica (ensino fundamental e médio), cita-se a rede de escolas “Elite” no Rio de Janeiro. Ao se tornaruma das redes de escolas que mais cresceram em 2014, fez aquisições de novos colégios no Rio de Janeiro, Belo Horizonte e com planejamento para os próximos anos chegar nos mercados de Brasília e São Paulo. Os outros dois exemplos no segmento de Classe C,que se beneficia da migração dos alunos da rede pública para a rede privada, são as escolas Drummon, em São Paulo, e a rede ALUB, uma das melhores escolas de Brasília, com doze colégios e cursinhos pré-vestibulares. Foi a escola que mais cresceu em Brasília nos últimos 5 anos, passando de 5 para 12 escolas, posicionando-se entre as melhores no ENEM, sendo a que mais aprova na UnB (Universidade de Brasília). Possui, atualmente, lista de espera por vagas com até um ano de antecedência.

Assim como ocorreu com o setor de ensino superior para a Classe C, as escolas devem continuar expandindo, pois hoje elas estão em alta e são alvo de grupos de investidores. O segmento de escolas para Classe C ainda é muito fragmentado e com elevado potencial futuro de sofrer o fenômeno explicado pela ABVCAP (Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital), que é a consolidação, em que um fundo investidor adquire várias outras escolas e forma uma grande rede com gestão única, holding.

O fenômeno vem ocorrendo em setores de educação potencializados pelos principais fundos e investidores estratégicos desse segmento, tais como. Abril Educação, Actis, Angra, Anhanguera, Ânima, BR Educacional, Br Investimentos, BR Partners, BTG, CETEC, DGP, Educar, Estácio, Gávea, G5 Evercore, Gera, GP, HIG, Innova, Initial, Kinea, Kroton, Leya, Pearson, SEB, SER, Tarpon, Vinci e outros que também fizeram investimentos na área de educação nos últimos anos.

Quem ganha com isso são pais e alunos que podem ter bom ensino e com mensalidades menores. Aqui no site, no ranking dos Melhores Colégios, encontram-sevários exemplos de escolas para a Classe C que se classificaram entre as melhores. Atualmente, os pais estão cientes de que uma boa escola não precisa necessariamente cobrar mensalidades elevadas. Na verdade, devem formar bons cidadãos, aptos para passar nas melhores universidades públicas e alcançar seus sonhos.

TAGS: Classe C, Educação, Ranking melhores escolas, ranking melhores colégios, ABVCAP, CTIP , CVM, BOVESPA, COLÉGIO ALUB, COLÉGIO ELITE, Abril Educação, Actis, Angra, Anhanguera, Ânima, , BR Educacional, Br Investimentos, BR Partners, BTG, CETEC, DGP, Educar, Estácio, Gavea, G5 Evercore, Gera, GP, HIG, Innova, Initial, Kinea, Kroton, Leya, Pearson, SEB, SER, Tarpon, Victrix, Vinc

 
 
Classe C Estadão 2) ESCOLAS PÚBLICAS PERDEM ALUNOS PARA A REDE PRIVADA – O ESTADÃO 19/09/2014

A escola pública encolheu. A Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios (PNAD-2013) mostra que 76,5% dos estudantes estavam matriculados em alguma instituição pública. No ano anterior, a proporção era de 77,4% dos estudantes. Em um ano, foram 445 mil alunos a menos. Nesse período, os estudantes da rede particular passaram de 12,1 milhões para 12,6 milhões.

A redução de matrículas na escola pública tem se mostrado uma tendência - nos anos de 2004 e 2005, 80,9% dos estudantes brasileiros estudavam em instituições municipais, federais ou estaduais. A partir de 2006, essa proporção começa a cair.

"A PNAD reforça o que o Censo Escolar já vinha mostrando. Também encomendamos estudo à Fundação Getúlio Vargas que mostra essa migração da escola pública para a particular nos segmentos da educação infantil e no ensino fundamental.

“O ensino médio está estagnado", afirma o diretor da Fenep (Federação Nacional das Escolas Particulares), Antônio Eugênio Cunha. Ele aponta a ascensão da classe C como uma das causas para essa migração. "O poder aquisitivo melhorou, consequentemente as pessoas querem qualidade do serviço. E a educação é fundamental".

Em 2013, a Região Centro-Oeste era a que tinha a maior proporção de alunos matriculados em escolas pagas, 27,3%. O Sudeste vem em segundo lugar, com 26,3%; seguido de Sul (24,2%); Nordeste (21,8%); e Norte (14,6%).

O Grupo Educacional Alub, voltado para a classe C, com onze unidades em Goiás e Brasília, é exemplo dessa migração - saltou de 5 mil alunos em 2013 para 11 mil, este ano. "Esse fenômeno tem duas causas: o aumento do poder aquisitivo de uma parcela da população que agora ganha entre R$ 3 mil e R$ 4 mil; e a falta de escolas públicas nos novos bairros", afirma Alexandre Crispi, diretor do Grupo Alub.

"A classe C já não consegue se manter nos centros, onde estão as escolas, e vai para esses novos bairros, que não chegam a formar uma periferia. São áreas verticalizadas, com condomínios com serviços, mas onde a escola pública não chegou".

Crispi sugere a criação de um Prouni para os ensinos fundamental e médio. Ele se refere ao programa do governo que dá bolsas integrais ou parciais para a educação superior em instituições privadas. "A escola particular está recebendo mais de 300 mil alunos por ano. É uma demanda grande, que Estados e municípios não conseguem suprir", afirmou.

A coordenadora do movimento Todos Pela Educação, AlejandraMeraz Velasco, ressalta que os dados do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), divulgado no início do mês, e que apontam para uma queda da qualidade na educação particular, são um sinal de alerta.

"A qualidade percebida pelos pais na escola particular é almejada e, à medida que as condições econômicas permitem, eles fazem essa migração. Mas o indicador de que a qualidade da escola particular caiu é preocupante. Essa expectativa não se cumpre", afirma.

Para Alejandra, a saída dos alunos com melhor condição econômica é prejudicial para o ensino público. "O ideal seria o contrário. A escola pública melhoraria muito se a classe média trouxesse seus filhos. Numa discussão mais ampla, não tem bala de prata na educação: a melhora passa pela execução do Plano Nacional de Educação, melhorar a infraestrutura, investir na formação de professores, oferecer condições de trabalho".

Antônio Eugênio Cunha, da Fenep, diz que a "grande preocupação" da escola particular é manter a qualidade. "Recebemos alunos com algumas defasagem, que enfrentaram greves, que não tiveram professores de algumas matérias.

Escolas privadas crescem 445.000 alunos ao ano, índice maior que o do Ensino Superior.
Fonte ESTADÃO conteúdos e UOL: http://www.estadao.com.br/noticias/geral,cai-09-numero-de-matriculados-em-escolas-publicas,1562365

TAGS: Escola Pública, Crescimento Escola Privada, Pnad, Melhores Escolas, Inep, Alexandre Crispi, Colégio Alub,classe C, Fenep, Fgv, Ideb, Prouni, Alejandrameraz Velasco.

 
 
Crescimento de escolas privadas supera o do ensino superior 3) CRESCIMENTO DE ESCOLAS PRIVADAS SUPERA O DO ENSINO SUPERIOR

Entre 2007 e 2012, houve o grande crescimento das instituições de ensino superior, potencializado principalmente pela demanda reprimida e pelos programas governamentais como o PROUNI e FIES. Essa onda de crescimento passou para o ensino básico (antigo 1o e 2o graus). Segundo dados do INEP nos últimos 3 anos, entre 2011 e 2013, 1,2 milhões de estudantes da rede pública migraram para as escolas privadas. Em 2013, 445 mil alunos saíram da escola pública para escolas particulares, principalmente as focadas no público Classe C, esse número é maior que o crescimento do ensino superior nesse mesmo período.Nesse ano, os estudantes da rede particular passaram de 12,1 milhões para 12,6 milhões.

A expectativa de ampliação para os próximos 3 anos é ainda maior, “1,8 milhões de alunos migrando para escolas privadas. A migração apenas em 2013 foi de 0,9%, a projeção para os próximos 10 anos é de 8,6% dos alunos da rede pública migrarem para a escola privada, serão mais de 5,6 milhões de alunos na escola privada que deve saltardos atuais 12,6 para 18,2 milhões de alunos” afirma Roberto Grecco, o especialista em educação da IRB (International Rating Brazil).

A expectativa de especialistas de educação e finanças é que as escolas privadas, principalmente, as especializadas na classe C, tendem a ter um crescimento ainda maior nos próximos anos. “Esse fenômeno de migração da escola pública deve-se a 4 fatores: ao aumento de renda da Classe C, à escassez de escolas públicas nos novos bairros, à deficiência de qualidade da escola pública e às mensalidades mais baixas das escolas privadas voltadas para a Classe C”, afirma Grecco.

Exemplos desse crescimento de escolas na Classe C são as redes de colégios Elite, com 14 escolas no Rio de Janeiroque cresceu 64% o número de alunos em 2014, e que recentemente adquiriu a rede de escolas Coleguium de Belo Horizonte, também de Classe C. Uma outra referência é a Rede de Colégios ALUB, de Brasília, que adquiriu 4 novas escolas em 2013 passando para 12 escolas, com crescimentode83%no número de alunos em 2014, passando de 6.000 alunos para 11.000 alunos. Essa evolução quantitativa vem seguida de uma profissionalização da gestão devido à entrada de fundos de investimentos no capital dessas redes. Assim como ocorrido com a chegada de fundos de investimentos em 2007 no ensino superior, esse é um fenômeno que já começou no segmento de escolas.

Também em crescimento, estão as escolas especializadas na classe A, como a Rede de escolas da Abril Educaçãoe do grupo SEB do professor ChaimZaher,ex- proprietário dos sistemas de ensino COC. A meta do SEB é chegar a um milhão de alunos. Zaher diz querer se antecipar à onda de aquisições do ensino básico que ele prevê no futuro, como a ocorrida no ensino superior. "Não vão me pegar desprevenido", diz.


4) COMPARATIVO ENSINO SUPERIOR PRIVADO E ESCOLAS PRIVADAS – BRASIL 2013

Critérios Ensino Superior privado Escolas privadas
Expectativa média de curso 4 anos 12 anos
Permanência média do aluno (Evasão) 2,4 anos 10,8 anos
Inadimplência 13,4% 11,3%
Ocupação Média de alunos por turma 24,1 26,3 alunos por turma
Mensalidade Média R$412,23 R$447,18
Hora/aula média R$31,3 R$19,74


Fontes: INEP/MEC, ABMES (Associação Brasileira dos Mantenedores do Ensino Superior), FENEP (Federação Nacional das Escolas Particulares, CVM.

Essa nova “corrida do ouro” dos fundos de investimentos e das grandes redes de escolas para realizar no segmento de escolas privadas, o mesmo que ocorreu no setor de faculdades, é fruto dessa tendência cada vez maior de migração das escolas públicas para escolas privadas e dos indicadores melhores no setor de escolas. "A educação ainda é extremamente pulverizada e o processo de consolidação está apenas começando", diz Ryon Braga, da Hoper Consultora, especializada em educação. Com essa maturação do setor, a expectativa é trazer profissionalização ao segmento de escolas e melhoria dos serviços educacionais para a sociedade.

TAGS: Abril Educação, Colégio PH, Colégio COC, Colégio SIGMA, Colégio ALUB, ChaimZaher, HOPER, Ryon Braga, Colégio ELITE, SEB, EDUCAR GERA, Ensino Superior, MEC, INEP, ABMES, FENEP, CVM, BMF.

 
 
Escolas públicas perdem alunos para a rede privada – O Estadão 19/09/2014 5) ENEM – AS FALHAS NA METODOLOGIA

As mudanças na divulgação das notas do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), entre os anos de 2011 e 2012, foi motivo de polêmica.

Uma mudança gerou muita insatisfação: descartar a prova de redação, levando em consideração apenas as notas das provas objetivas.

Entretanto, a outra mudança foi bem aceita: o MEC considerou como número mínimo de dez concluintes por escola e participação de, pelo menos, 50% dos estudantes no exame.

O aspecto positivo dessa nova regra foi a queda de uma série de Instituições de um ano para outro que não apareceram na avaliação porque tentavam “enganar” o ENEM e os pais, ao selecionarem apenas os bons alunos para fazerem a prova.

Sabendo desses problemas, pode-se dizer que a metodologia de avaliação do site melhorescolegios.org é mais completa.

Para prevenir as variações dos critérios do ranking do ENEM de ano a ano, aqui são avaliadas as melhores escolas com base nos dados dos últimos três anos do ENEM, além de outros critérios relevantes que não são avaliados por ele.

O ENEM como critério único ainda é muito questionável, já que algumas Instituições continuam elegendo somente seus melhores alunos para fazerem as provas (e estes poucos não podem representar o todo).



TAGS: ENEM, INEP,
 
 
Escolas públicas perdem alunos para a rede privada – O Estadão 19/09/2014 6) DUELO SEB(COC) X ABRIL EDUCAÇÃO”

O segmento educacional está aquecido. Recentemente, a Abril Educação comprou a Rede Sigma em Brasília e a Rede de Motivo em Recife. O Sigma é uma das dez melhores escolas do país segundo o ranking do site melhorescolegios.org. A Abril passa a ser o único grupo educacional a possuir duas das dez escolas nesse ranking que inclui também a rede de colégios PH. Já a rede de escolas COC, uma dos grupos que mais adquiriu escolas no país, ainda não possui nenhuma escola dentre as melhores no referido ranking.

Com a aquisição do Sigma, 3 escolas e 5.100 alunos, a Abril conquista uma das três maiores escolas do DF, atrás somente da rede de colégios ALUB com 12 escolas e aproximadamente 11.000 alunos, e acima da rede de colégios Leonardo Da Vinci, com aproximadamente 4.800 alunos, 3 escolas. (fonte INEP/MEC e SEEDF).

As oportunidades para a Abril Educação estão principalmente na venda do sistema de ensino Sigma na região e no aumento do tíquete médio da mensalidade, já que o Colégio Sigma possui uma mensalidade com valor muito abaixo do praticado em outras capitais. Enquanto a mensalidade do colégio PH, no Rio de Janeiro, também do grupo Abril, está em aproximadamente R$ 2.100.00, o colégio Sigma possui mensalidade de aproximadamente R$1.300,00. Brasília possui a maior renda per capita do país o que torna o custo mensalidade elástico para essa elevação.

Segundo Manoel Amorim, presidente da Abril Educação, a operação faz parte da estratégia de negócios da companhia . “Além de diversificar a receita, estamos apostando em colégios de excelência. Esta aquisição propiciará à Companhia as condições para o estabelecimento de uma presença relevante na região Centro-Oeste, onde poderemos expandir a marca Sigma para as diversas escolas da região”, afirma Amorim.

GRUPOSEB (COC) E ABRIL EDUCAÇÃO NA CAPITAL FEDERAL

Brasília é um dos três principais mercados de educação do país. Ciente dessa oportunidade, o grupo SEB foi a primeira companhia de capital aberto, à época, a chegar em Brasília em 2008 e instalar uma de suas escolas, com a marca COC. Adquiriu duas escolas, o INEI e o Dinatos. Passados 6 anos, a operação não somente não cresceu como minguou. Reduziu dos 1.800 alunos compostos pelas operações do colégio INEI e do curso Dinatos para os atuais 1.260 alunos.( fonte INEP/MEC e SEEDF). Também o número de escolas reduziu, restando apenas uma única escola. Entretanto, em 2014, o grupo SEB retoma o crescimento na capital ao adquirir uma pequena escola, a CECAN.

Além de possuir a maior renda per capita do país, Brasília apresenta a maior proporção de estudantes na rede privada, 24% de todos os estudantes(fonte IBGE 2010. Apesar dessas oportunidades, somente o futuro poderá dizer se o Grupo Abril com a rede de colégios Sigma se desenvolverá ou terá o mesmo futuro do Grupo COC na capital federal.

TAGS: SEB, COC, ABRIL EDUCAÇÃO, CECAN, COLÉGIO SIGMA, COLÉGIO MOTIVO, COLÉGIO ALUB, MANOEL AMORIM, HOPER, Ryon Braga, ChaimZaher, Colégio Leonardo Da Vinci, Colégio PH.

 
 
  Copyright 2010-2012 melhorescolegios.org, All Rights Reserved